Com a greve dos Correios, veja como pagar todas as suas contas

Com a greve dos Correios, veja como pagar todas as suas contas
março 13 11:58 2018

Os funcionários dos Correios deflagraram greve na noite do último domingo (11). No Pará, cerca de 60% do pessoal aderiu ao movimento, de acordo com Israel Rodrigues, presidente do Sindicato dos Servidores dos Correios (Sincort-PA). A paralisação reúne maioria de carteiros, o que faz com que as agências continuem funcionando normalmente. Para evitar transtornos, o Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec) dá dicas aos usuários.

O DIÁRIO foi até as unidades dos bairros do Telégrafo, Pedreira e na sede, localizada na avenida Presidente Vargas, na Campina, e todas funcionavam com atendimento ao público. Mesmo assim, a entrega de produtos e mercadorias deve atrasar, já que a paralisação tem maior aderência no Centro de Distribuição Domiciliária (CDD).

Caso haja demora na entrega de contas, o consumidor deve procurar outras formas de pagamento, como internet, telefone ou em lojas físicas. Em casos em que o consumidor fique com prejuízos, a orientação do Iedc é que o Procon seja acionado. “A greve não é uma situação gerada pelo consumidor nem pelo fornecedor, de modo que não podem ser impostas penalidades em caso de atraso de pagamento”, orienta o Idec.

REIVINDICAÇÕES

O principal motivo para a greve foi a mudança no plano de saúde da categoria, mas os trabalhadores também denunciam a precarização dos postos de trabalho, além da suspensão das férias para 2018. Ontem, os servidores realizaram uma assembleia e ficou decidido que hoje haverá um novo encontro para discutir os detalhes sobre o julgamento do plano de saúde, realizado ontem pelo Tribunal Superior do Trabalho (TST).

A mudança trará prejuízos financeiros para os trabalhadores, de acordo com o Sindicato. “Atualmente, a gente só paga quando usa o plano. É descontado de 1,78% a 3,86% de acordo com a remuneração do servidor. Agora, a empresa quer que a gente pague uma taxa fixa, que vai descontar do nosso salário. Já temos um dos piores pisos nacionais de empresas estatais e recusamos essa proposta”, disse Wandré do Carmo, dirigente do sindicato no Pará.

O presidente revela o déficit de funcionários nos Correios. “Atualmente, temos um déficit de 20 mil. E ainda querem fazer uma mudança que vai nos prejudicar muito. Se hoje as encomendas já demoram, com isso vai demorar mais ainda”.

SAIBA O QUE FAZER PARA FUGIR DOS PREJUÍZOS DA PARALISAÇÃO

Para os consumidores que contrataram os Correios e os serviços não foram prestados na forma contratada, cabe questionamento para eventual ressarcimento ou abatimento do valor pago.

Se não houver solução, o contratante deve procurar um órgão de defesa do consumidor, como o Procon. Se a questão envolver dano moral, é possível levar até ao Poder Judiciário.

Com a greve, as contas podem vencer sem que o consumidor as tenha recebido, ocasionando multas pelo atraso no pagamento.

Para não ser surpreendido pelos juros e multas decorrentes disso, o ideal é que o consumidor que ainda não tiver recebido o boleto entre em contato com o SAC da empresa emissora da conta e solicite uma outra forma de realizar o pagamento. Vale lembrar que a emissão de uma nova fatura não pode ser cobrada.

Quem quer se precaver contra possíveis greves e demais atrasos na entrega pode optar por formas de pagamento que não envolvam os correios. Algumas alternativas são o débito automático em conta corrente ou o recebimento da fatura por e-mail.

fonte: Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor

(Dominik Giusti/Diário do Pará)

  Categories: